Secretaria do Mestrado:

sec-mestrado@fumec.br

Histórico FUMEC/BH :::

A UNIVERSIDADE FUMEC

Fundada em 1965, a Universidade FUMEC é mantida pela Fundação Mineira de Educação e Cultura, uma entidade sem fins lucrativos. A Universidade, que está entre as mais tradicionais Instituições de Ensino Superior mineiras, localiza-se em Belo Horizonte, atualmente com mais de 9.000 alunos que veem de todo o estado e de outras partes do país.

Sua Missão é formar cidadãos conscientes de sua responsabilidade social, portadores dos valores de justiça e ética, nas diferentes áreas do conhecimento, aptos para a inserção nos diversos setores profissionais e para a participação no desenvolvimento da sociedade brasileira.

A Universidade se notabiliza pelo investimento sistemático em pesquisa e iniciação científica (ProPic), contribuindo para a produção de conhecimento científico e para a formação de mão de obra para a pesquisa. As atividades de Extensão (ProExt) refletem a responsabilidade social da Universidade FUMEC e seu compromisso de contribuir para o desenvolvimento social e de oferecer aos seus estudantes uma formação cidadã.

A FUMEC é constituída de pela Faculdade de Ciências Empresariais – FACE, pela Faculdade de Ciências Humanas, Sociais e da Saúde – FCH, pela Faculdade de Engenharia e Arquitetura – FEA e por uma unidade de ensino a distância – Fumec Virtual. Atua na Graduação, Pós-graduação Lato Sensu e Stricto Sensu.

MINAS GERAIS, BELO HORIZONTE e a CULTURA CONTEMPORÂNEA

O Estado de Minas Gerais é hoje o terceiro em importância política e econômica no país, após São Paulo e Rio de Janeiro. É reconhecido por sua complexidade cultural e por um acervo que se distingue pela extensão, integridade, singularidade e diversidade de manifestações. Minas Gerais tem o mais importante acervo arquitetônico e artístico do período colonial brasileiro, além dos bens elevados a Patrimônio da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura – UNESCO. Com a inclusão do Conjunto Moderno da Pampulha, de Belo Horizonte, na lista do Patrimônio Cultural da Humanidade, em 17 de julho de 2016, Minas Gerais passa a ser o estado brasileiro com mais sítios inscritos: além do Conjunto Moderno da Pampulha, a cidade histórica de Ouro Preto, o centro histórico da cidade de Diamantina e o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos na cidade de Congonhas.

O ambiente metropolitano de Belo Horizonte é destacado por espaços culturais como o Circuito Liberdade, composto pelo Arquivo Público; a Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa; a Casa Fiat de Cultura; O Cefart Liberdade; o Centro Cultural do Banco do Brasil; O Centro de Arte Popular Cemig; o Espaço do Conhecimento UFMG; A Horizonte Sebrae – Casa da Economia Criativa; o Memorial Minas Gerais Vale; O MM Gerdau – Museu de Minas e do Metal; o Museu Mineiro e o Palácio da Liberdade. A cidade abriga também o Centro Cultural Presidente Itamar Franco do qual faz parte a Sala Minas Gerais – espaço para concertos e sede da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. O Instituto Inhotim, complexo museológico que promove a arte contemporânea e artistas nacionais e internacionais, está localizado no município de Brumadinho/MG, a apenas 56 km de Belo Horizonte.

A capital mineira se consolidou também como sede de festivais que são referências internacionais, como os festivais internacionais de Quadrinhos (FIQ), de Teatro (FIT), de Circo (FIC) e de Dança (FID). Paralelamente às iniciativas oficiais, o cenário cultural da capital mineira tem mostrado que cultura é também reflexão e ação política. Experiências e articulações variadas têm marcado os recentes movimentos culturais da juventude vinculados às ações políticas, a exemplo do carnaval de rua, concebido como meio de conhecimento da cidade, exercício da cidadania, inclusão social e ressignificação do espaço público, a cada ano mais descentralizado e estendido às áreas de ocupação popular e periferias da cidade.